Translate this Page
Enquete
Qual assunto você prefere ?
Mesas de Som
Microfones
Equalizadores
Frequências
Caixas Acusticas
Ver Resultados

ONLINE
2



 

 


MADEIRA


 

1 - INTRODUÇÃO


As características do campo sonoro estabelecido no interior de um espaço fechado são condicionadas pela concepção arquitectural (geometria e volume), revestimentos, mobiliário, equipamento e pessoas, no seu interior. Espaços nobres, como salas de conferências, de espectáculos, auditórios, etc., requerem condições especiais visando a adequação das características acústicas à função pretendida. Assim a madeira, material de excelência nos revestimentos, assume papel determinante no desempenho acústico destes locais, podendo ser utilizada para promover a absorção sonora ou as reflexões difusas (dispersão sonora), condicionando desta forma o campo sonoro estabelecido no interior das mesmas. Tendo em vista o estudo da aplicação da madeira no condicionamento acústico, importa avaliar os factores que afectam o desempenho dos sistemas utilizados, de forma a desenvolver soluções tecnologicamente avançadas, económicamente competitivas e associadas a processos construtivos concebidos para possibilitar resultados de excepcional qualidade.


2 - A UTILIZAÇÃO DA MADEIRA COMO ABSORVEDOR SONORO


Os materiais ou sistemas absorventes sonoros, tendo em consideração os mecânismos que conduzem à dissipação de energia, estão agrupados em três tipologias distintas: materiais porosos (fibra de vidro; lã de rocha; etc.); painéis ou membranas absorventes; e absorvedores de cavidade ou ressoadores de Helmholtz. Tipicamente a madeira é utilizada nas duas últimas tipologias.


2.1 - Membranas Absorventes


Um painel sólido não perfurado, instalado sobre um suporte rigído com lâmina de ar intercalada entre o painel e o suporte, funciona como membrana absorvente (sistema massa-mola animado de movimento vibratório). A energia incidente neste painel é dissipada por amortecimento, devido à rigidez do meio (espessura da cavidade), ligações existentes e ao amortecimento interno do painel, cujo máximo ocorre para a frequência de ressonância, a qual, pode ser estimada, ignorando a presença de material absorvente sonoro na cavidade, através da expressão:

 



Sendo c - velocidade do som no ar, p - densidade do ar; e considerando que a espessura da cavidade - d, é muito menor que o comprimento da onda sonora incidente.

Do acréscimo de espessura da lâmina de ar resulta a redução do valor da frequência para a qual ocorre a ressonância do sistema [1][2]. Numa membrana absorvente, m (Kg/m²) é simplesmente a massa do painel obtendo-se para frequência de ressonância:



Valor correcto caso a cavidade esteja apenas preenchida por ar, se a cavidade estiver preenchida por material absorvente poroso, o sistema deixa de se poder considerar adiabático, sendo introduzido mais amortecimento no sistema, o que favorecerá a absorção sonora [3]. Salienta-se ainda, que muitas vezes estas formulações simplificadas conduzem a resultados incorrectos dado não considerarem os modos de vibração de ordem superior e não terem em conta as reais condições de fronteira ou ligação [4].

Sendo possível, na prática, tirar-se partido da utilização de painéis com massas superficiais distintas, ou dispostos a diferentes distâncias do suporte, para estender a eficácia do sistema a uma gama de frequências mais alargada.


2.2 - absorvedores de Cavidade


Os absorvedores de cavidade, também designados ressoadores de cavidade ou de Helmholtz, consistem num volume de ar no interior de uma cavidade, ligado à atmosfera geral através de um pequeno volume de ar semelhante ao contido no gargálo de uma garrafa. As ondas sonoras ao incidirem na superfície de entrada do gargálo imprimem deslocamentos alternados à massa de ar contida no mesmo, acompanhados de dissipação de energia devido ao atrito do ar contra as suas paredes. A determinação da frequência de ressonância, correspondente à amplitude máxima do deslocamento da massa de ar contida no gargálo, tomando também valor máximo a amplitude da variação de pressão da massa de ar no corpo do sistema, permite delimitar com precisão a gama de frequências onde o sistema é efectivo. Esta pode estimar-se através da expressão:



Com S (m²) - secção recta do gargalo e l (m) - comprimento do gargalo ou v (m³) - volume do gargálo e V (m³) - volume da cavidade [1][5][6].

Painéis de madeira perfurados, montados a uma certa distância da superfície rígida funcionam como ressoadores agrupados. A frequência de ressonância, nesta situação, pode obter-se através da seguinte expressão de cálculo, válida para f·d < 3400 Hz·cm [2]:



Em que P (%) - área perfurada; e (cm) - espessura da placa perfurada; r (cm) - raio da perfuração; d (cm) - espessura da cavidade.

A absorção sonora aumenta, para as mesmas condições de aplicação, com o aumento da percentagem de perfuração das placas, atingindo o seu máximo para cerca dos 25% de área aberta [2]. Verifica-se uma grande selectividade do absorvedor de cavidade, simples ou múltiplo, para frequências próximas da frequência de ressonância, podendo este último, actuar como um conjunto de ressoadores com diferentes frequências de ressonância, no caso de apresentar um conjunto de aberturas de diferentes dimensões.

Nas baixas frequências, para se ter uma boa absorção sonora para uma incidência aleatória, a cavidade deverá ser subdividida em compartimentos estanques, de modo a evitar propagação paralela ao painel [4]. A utilização de materiais porosos na cavidade atenua este efeito e também aumenta a largura de banda de eficiência dos painéis, embora reduza a absorção máxima para a frequência de ressonância.

Outro exemplo deste tipo de ressoadores, são os painéis ranhurados ou de ripas. Estes poderão ter a vantagem de, em alguns casos, as fendas serem mais fáceis de produzir (e com menores custos), no entanto o seu comportamento é semelhante ao dos painéis perfurados.

Se as dimensões das perfurações forem suficientemente pequenas, da ordem de grandeza da camada limite (dimensões sub-milimétricas), então a dissipação de energia será devido à viscosidade do ar, sendo este tipo de absorvedores, denominados de microperfurados. No entanto, os custos associados à produção deste tipo de painéis são muito mais elevados.


painéis acústicos típicos




2.3 - O Projecto de Painéis absorvedores em Madeira


Na generalidade, todos estes sistemas são relativamente selectivos (banda de frequência operacional estreita). Para obviar este problema pode-se conjugar no mesmo sistema os diversos tipos de absorvedores, conforme ilustrado na fig.2 [5]. Como já referido, os parâmetros de projecto são essencialmente a % de área aberta (diâmetros dos furos e espaçamento, no caso de painéis perfurados; largura, comprimento e espaçamento entre as ranhuras, no caso de painéis ranhurados - quaisquer destes parâmetros estão condicionados ao tipo de tecnologia de maquinação existente), a espessura dos painéis, o material que constitui o painel (tipo de madeira: maciça, compensado, aglomerado de partículas ou MDF, etc.), fixação, distância ao paramento e a utilização (ou não) de material poroso. Jogando com estas variáveis, é possível projectar painéis que cubram uma banda de frequência alargada com eficiência, utilizando numa primeira fase as expressões apresentadas e, posteriormente, para se estimar a absorção, a, poder-se-à recorrer à modulação apresentada em [4].


painel absorvedor




3 - A UTILIZAÇÃO DA MADEIRA EM DIFUSORES


3.1 - Reflexões Difusas e Campo Difuso


Em muitas situações em acústica de salas é necessário minimizar a utilização de absorção sonora, e.g. salas de concertos, de forma a não retiramos energia sonora e, ao mesmo tempo, para garantir a correcta difusão da mesma. Nestas situações, é necessário criar um campo sonoro difuso, i.e., que o som seja envolvente e que a energia do campo reverberante chegue por igual, em todas as direcções, aos receptores [5]. Até meados dos anos 70, os elementos que contribuíam para esse objectivo eram essencialmente constituídos por formas geométricas (muitas vezes com a função decorativa). As reflexões nessas protuberâncias (com dimensões comparáveis ao comprimento de onda do som incidente) tendem a misturar o som reflectido, no entanto, o efeito destes elementos é difícil de prever e quantificar, e para se promover reflexões difusas nas baixas frequências obrigaria à utilização de elementos de grande dimensão [7]. Reflexões não-especulares também podem ocorrer em superfícies lisas (sem irregularidades), mas desde que tenham uma impedância acústica não uniforme (e.g., absorção sonora variável) [4].

O termo Reflexão Difusa aplica-se a reflexões em que a Lei de Snell não se aplica, i.e., quando a onda incidente numa superfície é reflectida em várias direcções (difusão espacial) e quando chegam ao receptor espaçadas no tempo (difusão temporal) [8]. Assim, um difusor ideal deverá redireccionar o som incidente (independentemente do ângulo de incidência e da frequência) uniformemente, tendo uma resposta espacial (polar) semicircular [4].

Nos últimos 30 anos, após o trabalho pioneiro de Manfred R. Schroeder [9], muita investigação foi desenvolvida no sentido de projectar, optimizar e quantificar difusores cada vez melhores (e.g. QRD's) [4] e, actualmente, os difusores baseados nesses princípios têm vantagens significativas em relação aos de formas geométricas (maior largura de banda de utilização, dispersão mais uniforme e quantificação da eficácia em fase de projecto) embora o custo de produção seja mais elevado. Um difusor de Schroeder é uma estrutura periódica constituída por ranhuras de igual largura mas de profundidade diferente (ditadas por sequências matemáticas que têm a propriedade de a transformada de Fourier dos seus valores ser constante), separadas por paredes rígidas mas muito estreitas (comparada com a largura das ranhuras). O princípio físico subjacente a estes difusores é a interferência de ondas sonoras. Quando uma onda sonora incide na superfície do difusor, ondas planas propagam-se em cada uma das ranhuras em direcção ao fundo, reflectindo-se aí. Á entrada das ranhuras, as ondas reflectidas, por terem percorrido comprimentos diferentes (profundidades das ranhura), não possuem a mesma fase - se estas diferenças de fase estiverem correctamente determinadas, as ondas reflectidas interferirão de modo que a estrutura reflectirá o som uniformemente em todas as direcções. A frequência de projecto e a largura de banda destes difusores é ditada pelas dimensões geométricas das ranhuras. São também susceptíveis à qualidade do acabamento, devendo ser utilizados materiais de elevada impedância acústica, serem bastante rígidos e não possuírem frechas ou orifícios negligentes.

Como os efeitos das reflexões difusas são fundamentais na acústica de salas, a ausência de dados sobre as propriedades difusoras das superfícies de diferentes materiais (ao contrario da caracterização da absorção sonora) tem sido um problema [10] para a simulação computacional da acústica de salas. Nos últimos anos foram desenvolvidas metodologias para avaliar a uniformidade da dispersão (coeficiente de difusão, d: mede a semelhança entre a resposta polar de uma superfície com uma distribuição uniforme) [11] e a quantidade de energia dispersada (coeficiente de dispersão, s: mede a relação entre a energia reflectida nãoespecular com a energia total reflectida) [12]. Enquanto que o primeiro parâmetro é fundamental no desenvolvimento e optimização de superfícies difusoras (e para comparar os méritos de diferentes difusores), o segundo parâmetro tem uma grande importância para os modelos geométricos de acústica de salas [13], sendo, a par do coeficiente de absorção, a, um dos parâmetros de entrada fundamentais. Seria útil, mas ambos os coeficientes não têm uma relação simples e directa entre eles, embora tenha sido proposto um método para se obter s a partir das respostas polares [14].


3.2 - O Projecto de Difusores em Madeira


Tradicionalmente, os painéis difusores de madeira são constituídos por irregularidades geométricas (prismáticos ou paralelipipédicos) com dimensões consideráveis. Embora não sejam muito eficientes e de difícil estimação do comportamento, poderão ser economica e esteticamente atraentes. Ainda dentro dos painéis difusores "clássicos", a madeira poderá ser utilizada sob a forma de painéis policilíndricos, que são superfícies convexas, que para além de serem uma mais-valia em termos estéticos, possuem boas características difusoras (e se forem montados de forma correcta poderão ter boas propriedades de absorção sonora nas baixas frequências, funcionando desta forma como sistemas híbridos). Não sendo este tipo de solução nova, é um sistema bastante interessante pois são relativamente fáceis de instalar, economicamente atraentes e com bom desempenho acústico. No entanto, carecem de serem estudadas em profundidade de forma a serem caracterizadas e optimizadas as suas características acústicas.


difusores policilíndricos



A madeira é o material de excelência na construção e desenvolvimento de modernos difusores de Schroeder, pelas suas propriedades mecânicas, e com possibilidades de serem comercializáveis em kit, abrindo assim o mercado destes difusores a novos clientes.


difusor de Schroeder



Poderão ainda ser desenvolvidos sistemas híbridos (absorvedores/difusores) se forem perfilados com irregularidades geométricas superficiais ou flexionados (painéis policilíndricos) de forma a dotá-los também de algumas características de superfícies difusivas. Também os difusores de Schroeder, que foram inicialmente desenhados para se alcançar bons desempenhos nas reflexões difusas, podem ser optimizados para se transformarem em absorvedores [4] e [15]. De facto, difusores de Schroeder construídos de forma descuidada, com rigidez insuficiente e possuindo frechas negligentes no fundo das ranhuras, apresentam absorção sonora significativa nas baixas frequências [16], [17].


4 - CONCLUSÕES


A madeira é, sem dúvida, um material de excelência para espaços nobres onde a performance acústica e a estética são condições fundamentais, tais como, salas de concerto, auditórios, teatros, etc. Embora as soluções correntes estejam amplamente divulgadas, existe ainda espaço para o desenvolvimento e comercialização de novas soluções e para a optimização do binómio custo - benefício.

O desempenho acústico dos sistemas (absorvedores, difusores e híbridos) poderá ser optimizado recorrendo a técnicas apresentadas, por exemplo, em [4] e em [18], tendo sempre em atenção os constrangimentos tecnológicos (e.g., maquinação disponível) e os custos inerentes à produção (e.g., custos hora-máquina, hora-homem, matéria-prima). Deverão também ser potenciadas as características intrínsecas da madeira a utilizar, nomeadamente, a estabilidade dimensional, a reacção ao fogo, o aspecto estético, a compatibilidade com outros componentes - armaduras e suportes, e a susceptibilidade à degradação [6], por forma a garantir o cumprimento das restantes exigências funcionais. Todas as soluções resultantes, disponibilizadas comercialmente, deverão estar avaliadas experimentalmente não só de acordo com EN ISO 20354:1993 [19] (coeficiente de absorção sonora) mas também com a ISO 17497-1:2004 [12] (coeficiente de dispersão), de forma a serem facilmente utilizados pelos projectistas, e os resultados deverão constar nas brochuras técnicas dos sistemas, devendo sublinhar especificamente quais as condições de montagem a que se referem.

O desenvolvimento e aplicação de novas soluções, actualmente, ainda se encontra algo limitada pelo custo da matéria-prima, pela maquinação (ferramentas) existente e falta de preparação da indústria da madeira. Porém, o estabelecimento de parcerias entre Universidades, Laboratórios e Industria criará sinergias nesta área, permitirá a endogeneização de conhecimentos e desenvolvimento tecnológico. Poderá ter novos desenvolvimentos se, a montante, a indústria de processamento da madeira e seus derivados for estimulada a criar novos produtos e materiais com performances acústicas significativas e com custos substancialmente inferiores.